PERDA PERINATAL: INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM ÀS MÃES ENLUTADAS

Publicado 2024-05-02

  • Claudia Cristina Dias Granito Marques
  • ,
  • Debora Jucá Raposo Vasti


PDF

Palavras-chave: Sistematização da Assistência de Enfermagem, Enfermagem Obstétrica, Luto Materno, Humanização no Pré-Natal e Nascimento

Resumo

Introdução: A maternidade é um período de espera marcado por ansiedade, insegurança, anseio e esperança. Durante 9 (nove) meses o corpo gravídico passa por transformações para a formação e o desenvolvimento de uma nova vida. Mas, as vezes todo este processo é surpreendido pelo luto. A perda perinatal é considerada um processo de interrupção no contexto de um ciclo natural, a partir da inversão das expectativas das perdas pressupostas no ciclo da vida, deixando os pais sem referências temporais, onde os filhos devem morrer depois de seus pais. Neste contexto, é essencial a assistência humanizada por parte dos profissionais de saúde, sendo fundamental para evolução do processo do luto. Justificativa: A perda fetal é considerada um problema de saúde pública que impacta tanto na qualidade de vida das pessoas envolvidas quanto nos indicadores de saúde perinatal. Foi possível observar a necessidade de o profissional estar preparado para ser rede de apoio durante a execução de uma assistência de qualidade com a aplicabilidade de intervenções de enfermagem em todas as esferas da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Objetivo: Analisar os aspectos intervenientes da assistência de enfermagem às mães enlutadas da perda perinatal. Método: O presente estudo foi desenvolvido por meio da abordagem metodológica qualitativa, de caráter descritivo explicativo, por meio da revisão integrativa da literatura sobre publicações nacionais e internacionais em periódicos de representatividade na área de enfermagem, indexados ao banco de dados virtual Scielo, LILACS, BVS Enfermagem e Medline, dentro do período delimitado, dos anos de 2018 a 2023. Considerações finais: O luto é um processo delicado e muito difícil, requer empatia e amparo por parte dos profissionais de saúde. O enfermeiro é um dos principais protagonistas do cuidado frente à mãe enlutada. Ele pode influenciar positiva e negativamente na evolução dos pais no processo de enlutamento. Faz-se necessário, então, que eles estejam aptos para desenvolver estratégias de assistência durante este processo, visando ao cuidado integral a esta mulher.


Referências

  1. ARAÚJO, Ana Évora; FREIRES, Maria Amanda Laurentino; COSTA, Sueli Alves; COSTA, Anne Carolinne de Carvalho; FEITOSA, Ankilma do Nascimento de Andrade. Humanização da assistência de enfermagem no pós-parto de óbito fetal. Revista Interdisciplinar em Saúde, Cajazeiras, v10.n1.p152-164, 2023.
  2. BRASIL. Lei nº 7.498/86, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 jun. 1986. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7498.htm>. Acesso em: 5 mar. 2023.
  3. BRASIL (2021). Ministério da Saúde. Tabnet – Estatísticas vitais: mortalidade. DataSUS. Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?arca=0205.>. Acesso em: 03 jun. 2023.
  4. BVS. Política nacional de humanização - PNH, humanizasus. Disponível em:<https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto. pdf>. Acesso em: 7 set. 2022.
  5. GONÇALVES, Roselane; BRIGAGÃO, Jacqueline Isaac Machado; SILVA, Bruna Martins Cardoso; OLIVEIRA, Caroline Gonçalves; SANTOS, Jenifer Daniele de Lima. Análise dos fatores associados ao óbito fetal intrauterino nos casos atendidos em um Hospital Público. Revista Saúde, v. 13, n. 3/4, 2019.
  6. KITZINGER, Sheila. Mães: Um estudo antropológico da maternidade. Lisboa: Editorial Presença, 1978.
  7. KUBLER, Elisabeth Ross. Sobre a morte e o morrer. Rio de Janeiro: Editora Martins Fontes, 1985.
  8. LOPES, Beatriz Gonçalves; MARTINS, Alessandra Rodrigues; CARLETTO, Marcia Regina; BORGES, Pollyanna Kássia de Oliveira. A dor de perder um filho no período perinatal: uma revisão integrativa da literatura sobre o luto materno. Revista Stricto Sensu. 2019. Disponível em: <http://revistastrictosensu.com.br/ojs/index.php/rss/article/view/77>. Acesso em: 7 set. 2022.
  9. MACIEL, Caroline Gomes; OLIVEIRA, Tamara Cristina da Matta; SILVA, Gabryelly Barros de Carvalho; ALMEIDA, Sarah Kelly Ribeiro; SOUZA, Luana Araujo Carvalho Felipe. Integralidade do cuidado de enfermagem à mulher que sofre perda gestacional. Research, Society and Development, v.11, n.6, e5111628545, 2022.
  10. MARINHO, Ângela Heluy Ribeiro.; MARINONIO, Cássia Cristina Rozzante; RODRIGUES, Luciana Costa Alemar. O processo de luto na vida adulta decorrente de morte de um ente querido. Monografia, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro/RJ, 2007.
  11. MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Dispinível em: < https://www.scielo.br/j/tce/a/XzFkq6tjWs4wHNqNjKJLkXQ>. Acesso em: 10 de mar.2023.
  12. MIRANDA, Ana Maria Casalta; ZANGÃO, Maria Otília Brites. Vivências maternas em situações de morte fetal. Revista de enfermagem referência, v.5, n.3, e20037, 2020.
  13. RIOS, Tamires dos Santos. Elaboração do processo de luto após uma perda fetal: relato de experiência. Revista de Psicologia da IMED. 2016. 8(1): 98- 107,10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p98-107.
  14. ROSA, Rosiane; GOMES, Iris Elizabete Messa; COSTA, Roberta; ALVES, Isadora Ferrante Boscoli de Oliveira; AIRES, Luana Cláudia dos Passos. Experiências e condutas do profissional de saúde diante do óbito neonatal: revisão integrativa. REME – Ver Min Enferm, v.26, e1479, 2022.
  15. SUBUTZKI, Larissa Spies; LOMBA, Maria de Lurdes; BACKES, Dirce Stein. Morte de neonatos: percepção da equipe multiprofissional à luz da complexidade. Artículo de Investigación, v. 36, n. 1.65229, 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Artigos Semelhantes

SUSTENTABILIDADE DIGITAL: COMO A TECNOLOGIA PODE IMPULSIONAR PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS

Vanessa Morgado Madeira Caldeira, Átila de Souza, Karine do Nascimento Araújo, Ivanilda de Argolo Gomes, Geisiélli Aparecida Carvalho Marin de Medeiros, Magno Antonio Cardozo Caiado, Rejane da Silva Amaral, Pollyanna Marcondes,

Revista Políticas Públicas & Cidades: v. 13 n. 1 (2024)

DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DO LETRAMENTO: O PAPEL DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO

Marcos Antonio Soares de Andrade Filho, Adonias Nonato da Silva Pereira, Ana Cristina Gonçalves Teixeira Saraiva, Thiago Henrique Catalano, Aline Canuto de Abreu Santana, Rutierio Odorico dos Santos, Júlio César Belo Gervásio, Rogelma Coelho do Nascimento,

Revista Políticas Públicas & Cidades: v. 13 n. 1 (2024)

CIRURGIA ORTOGNÁTICA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DA APNEIA E HIPOPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO

Jessica do Nascimento Cardozo, Marianna Miranda Pereira, Amanda Joyce Antônio Dias, Tauanne Vitoria de Andrade, Laís Afonso de Assunção, Bruno Luiz Ferreira da Silva, Luiz Felipe Costa de Moura, Emanuele dos Santos Moreira, Bianca Martinelli Duarte Arantes de Barros, Geovana da Silva Magalhães, Júlio Narciso Queiroz Braga, Geovana Christine Marques de Melo, Anna Karolyne Grando Silveira,

Revista Políticas Públicas & Cidades: v. 13 n. 1 (2024)

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Como Citar

Marques, C. C. D. G., & Vasti, D. J. R. (2024). PERDA PERINATAL: INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM ÀS MÃES ENLUTADAS. Revista Políticas Públicas & Cidades, 13(1), e686. https://doi.org/10.23900/2359-1552v13n1-2-2024

Baixar Citação

ISSN: 2359-1552


Palavras-chave

Mais lidos