CONVERGÊNCIAS PARADIGMÁTICAS: EXPLORANDO O IMPACTO DO INTERACIONISMO SIMBÓLICO E NATURALISMO NAS METODOLOGIAS DE PESQUISA QUALITATIVA NO ENSINO SUPERIOR

Publicado 2024-05-06

  • Thiago Henrique Almino Francisco
  • ,
  • Giancarlo Moser
  • ,
  • Melissa Watanabe
  • ,
  • Nei Antonio Nunes
  • ,
  • Lilia Aparecida Kanan


PDF

Palavras-chave: Interacionismo Simbólico, Naturalismo, Pesquisa Qualitativa

Resumo

Este trabalho explora a convergência do interacionismo simbólico com o naturalismo em estudos qualitativos dentro da educação superior. Investiga-se de que maneira essa fusão teórica enriquece a compreensão das dinâmicas no campo educacional, salientando tanto a construção de significados via interações humanas quanto a relevância do contexto natural onde essas interações se desenrolam. A importância desta pesquisa advém da sua contribuição para o aprimoramento de práticas pedagógicas que sejam inclusivas e alinhadas com as complexidades e diversidades do ensino superior. A metodologia é a revisão integrativa de literatura, que reúne pesquisadores de diversas áreas para compreender criticamente campos pouco explorados. Destacada por Whittemore e Knafl (2005), essa abordagem permite incorporar diferentes tipos de pesquisas, proporcionando uma visão completa do fenômeno estudado. Ao ressaltar a sinergia entre esses paradigmas, o objetivo é fomentar um debate mais aprofundado sobre metodologias de pesquisa educacional e incentivar o desenvolvimento de políticas educativas que valorizem as experiências individuais e coletivas no processo educativo e na gestão deste contexto.


Referências

  1. BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1966.
  2. BEST, A., GREENHALGH, T., LEWIS, S., SAUL, J. E., CARROLL, S., & BITZ, J. "Large-system transformation in health care: a realist review." The Milbank Quarterly, 90(3), 421-56, 2012.
  3. BLUMER, H. Symbolic Interactionism: Perspective and Method. Berkeley: University of California Press, 1969.
  4. BRUNER, J. The Narrative Construction of Reality. Critical Inquiry, v. 18, n. 1, p. 1-21, 1991.
  5. CHARMANZ, K. Constructing grounded theory: A practical guide through qualitative analysis. London: Sage Publications, 2006.
  6. CRESWELL, J. W.; POTH, C. N. Pesquisa de métodos mistos. Porto Alegre: Penso, 2018.
  7. CRISTOFOLI, Emerson. A influência do interacionismo simbólico no natura-lismo pedagógico. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2018. 234 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018.
  8. CUNHA, M. I. Docência na Educação Superior: a professoralidade em cons-trução. Educação, Porto Alegre, 2018.
  9. DENZIN, N. K. Interpretive Ethnography: Ethnographic Practices for the 21st Century. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 1997.
  10. DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.). Handbook de pesquisa qualitativa. Thousand Oaks: Sage Publications, 2018.
  11. DOMINGUES, J. P. E., SABINO, J., BATISTA, E. M., & ANDRADE, L. P. DE. "A Formação Acadêmica do Professor Universitário: uma Breve Crítica aos Pro-gramas de Formação. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 22, n. 5, p. 650-654, 2021.
  12. DUARTE, F. Exploring the Interpersonal Transaction of the Brazilian Jeitinho in Bureaucratic Contexts. Organization, 13, 509-527, 2006.
  13. FELDHAUS, Marcelo. A Dimensão Ética e Estética na Docência no Ensino Superior: Fricções Entre a Arte Contemporânea, Cuidado de Si e Pedago-gia Universitária. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2022.
  14. FINARDI, K. Internationalization and Multilingualism in Brazil: Possibilities of Content and Language Integrated Learning and Intercomprehension Approach-es. World Academy of Science, Engineering and Technology, International Journal of Educational and Pedagogical Sciences, 13, 655-659, 2019.
  15. FLICK, U. An introduction to qualitative research. 4th ed. London: Sage Pub-lications, 2009.
  16. FOUCALT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1972.
  17. FOUCAULT, M. Power/knowledge: Selected Interviews and Other Writings, 1972-1977. New York: Pantheon Books, 1980.
  18. FRANCISCO, Thiago Henrique Almino. O Desdobramento do Proies em uma Universidade Comunitária: Uma Teoria Fundamentada na Grounded Theory. 2017. 309 p. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conheci-mento) - Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Floria-nópolis, 2017.
  19. GARFINKEL, H. Estudos em etnometodologia. Englewood Cliffs, NJ: Pren-tice-Hall, 1967.
  20. GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1983.
  21. GIDDENS, A. The Constitution of Society: Outline of the Theory of Structu-ration. Berkeley: University of California Press, 1984.
  22. GUBA, E. G.; LINCOLN, Y. S. Competing paradigms in qualitative research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage, 1994. p. 105-117.
  23. GUBA, E. G.; LINCOLN, Y. S. Fourth generation evaluation. Newbury Park: Sage Publications, 1989.
  24. HORKHEIMER, M. Crítica da razão instrumental. São Paulo: Editora Unesp, 1972.
  25. HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 1970.
  26. KORZEB, K., GAJC, M., & PAWLAK, D. Compendium of natural hyperbolic ma-terials. Optics Express, 23(20), 25406-25424, 2015.
  27. LACERDA, Roberto dos Santos. Territorialidade, saúde e meio ambiente: conexões, saberes e práticas em comunidades quilombolas de Sergipe. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, 2017. 246 f. Tese (Doutorado em De-senvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Sergipe, São Cris-tóvão, 2017.
  28. LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Epistemological foundations of constructivism. In: LINCOLN, Y. S. (Ed.). The landscape of qualitative research: Theories and issues. Thousand Oaks: Sage Publications, 1998. p. 39-64.
  29. LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Naturalistic Inquiry. Beverly Hills, CA: Sage Publications, 1985.
  30. LYOTARD, J.-F. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.
  31. MARTIN, A. J., & DOWSON, M. Interpersonal Relationships, Motivation, En-gagement, and Achievement: Yields for Theory, Current Issues, and Education-al Practice. Review of Educational Research, 79, 327-365, 2009.
  32. MASON, J. Pesquisa qualitativa: construindo uma metodologia. Porto Ale-gre: Penso, 2018.
  33. MATOS, Marília Neri. O interacionismo simbólico na prática educativa: um estudo sobre o naturalismo no contexto escolar. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2019. 262 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.
  34. MAXWELL, J. A. Qualitative research design: An interactive approach. Thousand Oaks: Sage Publications, 2013.
  35. MEAD, G. H. Mind, Self, and Society from the Standpoint of a Social Behav-iorist. Chicago: University of Chicago Press, 1934.
  36. MERRIAM, S. B.; TISDELL, E. J. Qualitative research: A guide to design and implementation. San Francisco: Jossey-Bass, 2016.
  37. MORGAN, Gareth. Reflections on images of organization and its implications for organization and environment. Organization & Environment, v. 24, n. 4, p. 459-478, 2011.
  38. MORSE, J. M. Designing funded qualitative research. In: DENZIN, N. K.; LIN-COLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications, 1994. p. 220-235.
  39. NAIDU, S.; OLIVER, M. Computer supported collaborative problem-based learning: An instructional design architecture for virtual nursing education. Journal of Distance Education, v. 11, n. 2, 1996.
  40. OLIVEIRA, Heloá Cristina Camargo de. Mediação da informação e interacio-nismo simbólico: um olhar naturalista. Marília: Universidade Estadual Pau-lista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Filosofia e Ciências, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2020. 195 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2020. Dis-ponível em: [link]. Acesso em: 14 mar. 2024.
  41. PARK, R. E.; BURGESS, E. W.; McKENZIE, R. D. The City. Chicago: Universi-ty of Chicago Press, 1925.
  42. PATTON, M. Q. Qualitative research & evaluation methods: Integrating the-ory and practice. Thousand Oaks: Sage Publications, 2015.
  43. PERIN, D. Facilitating Student Learning Through Contextualization. Commu-nity College Review, 39, 268-295, 2011.
  44. QUITETE, Jane Baptista. Interacionismo simbólico e naturalismo: perspec-tivas para o estudo da educação. [Rio de Janeiro]: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2018. 198 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.
  45. READ, J. R. The Australian Chemistry Enhanced laboratory Learning project. Chemistry in Australia, v. 73, n. 1, p. 3-5, 2006.
  46. SCHLICKMANN, R.; OLIVEIRA, M. R. S. de; MELO, P. A. de. Administração universitária: desvendando o campo científico no Brasil. Revista Gestão Uni-versitária na América Latina- GUAL, v. 7, n. 3, p. 160-181, 2014.
  47. SGUISSARDI, V. As missões da universidade, entre as quais a extensão uni-versitária ou a terceira missão, em face dos desafios da mercadiza-ção/mercantilização. Teoria e prática da educação, v. 22, n. 3, p. 38-56, 2019.
  48. SILVA, M. N. S. da. Território: uma revisão teórico-conceitual. InterEspaço: Re-vista De Geografia E Interdisciplinaridade, 1(1), 49–76. 2015.
  49. SMITH, J. S. Exploring the challenges for nontraditional male students transi-tioning into a nursing programme. J. Nurs. Educ., v. 45, n. 7, p. 263-269, 2006.
  50. SOUZA, M. T. de; SILVA, M. D. da; CARVALHO, R. de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v. 8, n. 1 Pt 1, p. 102-106, 2010.
  51. STAKE, R. E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2010.
  52. STAKE, R. E. The Art of Case Study Research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 1995.
  53. STRAUSS, A.; CORBIN, J. Grounded theory methodology: An overview. 1994.
  54. SUŠKEVIČS, M., HAHN, T., & RODELA, R. Process and Contextual Factors Supporting Action-Oriented Learning: A Thematic Synthesis of Empirical Litera-ture in Natural Resource Management. Society & Natural Resources, 32, 731-750, 2019.
  55. THIESEN, J. da S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista brasileira de educação, v. 13, p. 545-554, 2008.
  56. TORRACO, R. J. Writing integrative literature reviews: Guidelines and exam-ples. Human Resource Development Review, v. 4, n. 3, p. 356-367, set. 2005.
  57. VAN MAANEN, J. Tales of the field: On writing ethnography. Chicago: Uni-versity of Chicago Press, 1988.
  58. WHITTEMORE, R.; KNAFL, K. The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, v. 52, n. 5, p. 546-553, 2005.
  59. XIE, F., & DERAKHSHAN, A. A Conceptual Review of Positive Teacher Inter-personal Communication Behaviors in the Instructional Context. Frontiers in Psychology, 12, 2021.
  60. YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Artigos Semelhantes

TENDÊNCIAS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI: PRÁTICAS NA CONTEMPORANEIDADE

Hanna Lorraine Lima, Tiago Aparecido de Melo Campos , Gabriel César Dias Lopes, Ricardo Selas Vieira de Andrade ,

Revista Políticas Públicas & Cidades: v. 13 n. 1 (2024)

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Como Citar

Francisco, T. H. A., Moser, G., Watanabe, M., Nunes, N. A., & Kanan, L. A. (2024). CONVERGÊNCIAS PARADIGMÁTICAS: EXPLORANDO O IMPACTO DO INTERACIONISMO SIMBÓLICO E NATURALISMO NAS METODOLOGIAS DE PESQUISA QUALITATIVA NO ENSINO SUPERIOR . Revista Políticas Públicas & Cidades, 13(1), e698. https://doi.org/10.23900/2359-1552v13n1-3-2024

Baixar Citação

ISSN: 2359-1552


Palavras-chave

Mais lidos